23.3.07

Considerações acerca da solidão

Estive a pensar sobre que é a solidão. Entendi que ela pode ser um sentimento ou um estado (estou só). Partindo-se desta forma de pensar, no primeiro caso, ainda que estejamos em meio a uma grande multidão, poderemos estar em solidão, isso porque nos sentimos solitários, ou seja, este tipo de solidão tem sua origem na alma.

A grande questão é: Por que nos sentimos solitários mesmo quando acompanhados? Pode ser que existam várias respostas; a meu ver, porém, somos atingidos por forte sentimento de solidão quando percebemos que não somos conhecidos. Conhecidos? Sim, isso mesmo! Contudo, ser conhecido aqui não deve ser confundido com ter muitos colegas, popularidade ou fama no círculo social do qual se faz parte.

Quando digo que nos sentimos em solidão por não sermos conhecidos, quero afirmar que este sentimento de solidão advém do fato de não sermos “conhecidos integralmente” e, claro, “aceitos integralmente”. Ou seja, o que as pessoas vêem todos os dias, nosso estilo de se vestir, falar e o que aparentamos ser é só a “casca”. Sem dúvidas, fomos criados para a comunhão. Uma das características da comunhão é justamente conhecer o próximo como um todo e se dar a conhecer por ele. É desvendar o outro; e isso inclui qualidades, defeitos, pecados, sonhos, medos etc. Todos os seres humanos, indistintamente, têm a necessidade de compartilhar a sua alma, e é isso que nos faz sentir acompanhados.

A cada dia, a sociedade pós-moderna caminha distante daquilo que podemos chamar de busca pela comunhão integral. Pode ser que em breve esta palavra (comunhão) esteja relegada aos cadernos escolares, livros e artigos eletrônicos na internet. A despeito de todas as dificuldades impostas nos dias atuais para a existência de um legítimo compartilhar entre seres humanos, a alma do homem clama e sempre clamará por intimidade e comunhão transcendentes. A isso se deve a enorme quantidade de tecnolofias desenvolvidas com a finalidade de conectar as pessoas (orkut, msn, celulares etc).

Ainda que estes mecanismos tecnológicos supram parcialmente a necessidade humana de contato, eles não oferecem uma aproximação qualitativamente capaz de aplacar as súplicas (às vezes inconscientes) da alma, que grita por amor e calor humano, cumplicidade e compreensão (num nível extremamente profundo), pelo abraço fraterno e carinho. Todos nós esperamos ardorosamente por sermos desvendados por alguém (independe gênero) que nos aceite como somos e nos ajude na caminhada.

Enquanto não tomarmos consciência disso e não nos movermos em direção ao próximo, não iremos nos sentir acompanhados; ainda que famosos, populares e até mesmo afortunados. Uma das maiores riquezas que podemos receber nesta vida é a benção de possuir verdadeiros amigos que nos conheçam de verdade e nos recebam como iguais, apesar de nossas imperfeições. Isso é comunhão, ou seja, a possibilidade de compartilhar nossa alma integralmente.

3 comentários:

hapuc disse...

estimado...

la reflexión esta muy buena... segire leyendo... para poder aprender portuguez...

Dios quiera que entiendas...

http://www.wordreference.com/ptes/chamar

Humberto Ramos disse...

Muchas Gracias, espero que sea útil leer este espacio de reflexión.

Natália Miacci disse...

"Um amigo é uma pessoa com quem se tem prazer em compartilhar idéias de forma tranqüila e mansa. Não é preciso estar de acordo. O rosto do meu amigo não é igual ao meu rosto. E essa diferença me dá alegria." (hehehe)

"Todo mundo procura um lugar prá poder compartilhar da dor e da alegria." (F.Anitelli)

Foi só pra citar os outros mesmo que passei por aqui.É que quando li seu texto lembrei do trecho que você me enviou semana passada.ehehehehe
Beijos e queijos ,

Related Posts with Thumbnails