24.9.07

Silêncio e solidão - breve ponderação

Tememos a solidão e o silêncio justamente porque eles nos deixam a sós com nós mesmos, e isso – encontrarmos com nós mesmos – é bastante torturante, em certos casos.

Às vezes, como é difícil encarar nossa aparência interna, que certamente é bem menos atraente que a externa! Para os mentirosos, ah, sim, para estes, encontrar-se consigo mesmo deve ser algo torturante, visto que suas vidas estão fundamentadas em ilusões e auto-enganações. Pois isto que é a mentira: ilusão sutil ao ponto de se tornar auto-enganação.

O silêncio, convidado muitas vezes inesperado...
Solidão, companhia muitas vezes indesejável...

No silêncio, a única coisa que chegamos a ouvir é o nosso coração, e dele – o coração –, já dissera as Sagradas Letras, “procedem as saídas da vida”.

Na solidão, a única alma vivente que conseguimos avistar é a nossa própria...

Impulsos ocultos, rancor, mágoa, temores e desespero irreconhecido, não assumido, tudo isso se encontra no mais íntimo de muitos de nós, seres humanos; e é exatamente o que nos separa de nos mesmos, estas são as causas de tantas leituras, tantos trabalhos, tantas ocupações e agendas infinitamente lotadas.

Não queremos um tempo a sós, não queremos ouvir o pulsar da vida no nosso peito, não queremos perceber que ela está passando...

Ter a consciência de que somos um grão de areia no universo nos assusta, pensar no futuro nos gera temor, pós-morte então nem se fale. “O que somos afinal?”, perguntariam os mais apavorados.

Diante de tanta complexidade, apenas sugiro coragem para se olhar no espelho (encarar a si próprio), fervor para não adiar este dia e amor para suportar as lutas cotidianas sem esmorecer!

2 comentários:

hapuc disse...

humberto... algun dia aprendere a leerte y te posteare en portuguez...

abrigado....

Deus te bendiga

Humberto Ramos disse...

Hola, amiga!

Gracias por tu visita!

Abrazos!

Related Posts with Thumbnails