26.3.08

Me perguntaram se eu acreditava...

Sabes, meu Deus:

Me perguntaram, com espanto, se era verdade que eu acreditava que tu existias! E eu fiquei em silêncio, sem saber o que responder. Eu via, naqueles olhos, um pedido de desmentido, como se o teu nome fosse uma maldição, vergonha...

Pude Compreender.

É que a morte se apropriou do teu nome, e o colocou na testa de cadáveres, em pedras de túmulos, teceu com ele mortalhas para corpos cinzentos dos quais havia fugido todo desejo de viver.
Queixos de ferro sabem gritar o teu nome
enquanto mastigam as carnes dos mansos.

Também a morte diz o teu nome com palavras litúrgicas,
e se decretam silêncios,
e se anunciam proibições,
e se exigem abstinências...

O teu nome proclama a morte do desejo.
Mas há sempre aquele cheiro de coisas em decomposição, presente nos paramentos sagrados e nas vozes taquarais pastorais...

Meu Deus, que é que fizeram com o teu nome?
Eu entendi o espanto: era o medo de que eu não mais pudesse ser amado, se o teu nome morasse em mim. Como se dissesse:

“Por favor, me diga que suas asas não foram cortadas, que você ainda ama penhascos e florestas... Me diga que o seu corpo continua ligado à sombra das àrvores, ao clarão da lua, às palavras de amor... Me diga que seus olhos são mansos, sem sentenças...

“Por favor! Como poderemos caminhar juntos se não cantarmos os mesmos cantos? Como poderemos dar as mãos se tivermos nomes diferentes em nossas bocas?”

Me perguntaram se eu acreditava....

Rubem Alves em Pai Nosso , pg. 73 (Paulus)

3 comentários:

Aefe! disse...

E aí ,cara, não nos conhecemos, conheci seu blog através do Jonatas Acácio e gostei...

Se quiser dar uma olhada no meu e de uns amigos, o link é:

http://obs-tetras.blogspot.com/

Posso colocar o seu como nossos links?

falow,

Aefe!

Roger disse...

Li seu texto lá no Pava,

um grande abraço,

Roger

Filipe Garcia disse...

Tenho me deparado com esse texto muitas vezes e o tenho visto por toda a blogoesfera cristã.

Mas, o mais estranho é que para mim esse texto faz muito sentido, mas ao mesmo tempo me traz lembranças dos meus dias de ateu militante.

Quanta besteira eu pude dizer!

De qualquer forma, te deixo um convite; me visit no: http://discipulum.blogspot.com

Um abraço!

Related Posts with Thumbnails