3.6.08

Castelos intelectuais

Falar é sempre mais fácil do que fazer, escrever também é sempre mais fácil do que pôr em prática as nossas palavras. Bem, em se tratando de falar, escrever e fazer, acho que sou bom mesmo falando; escrevo mais ou menos, e sou péssimo na parte prática. Acho que não sou o único, visto que conheço tanta gente com tantas boas intenções mas com poucas ou quase nenhuma ação conexa a essas intenções. Tantas boas intenções ao ponto de, se colocadas em prática, tornar ao menos seus bairros melhores, já que para tornar o mundo melhor teríamos de disponibilizar de maior quantidade de mão-de-obra.

Na internet há uma centena de milhares de blogs, sites e diversos espaços virtuais nos quais podemos soltar nossas idéias, travar batalhas intelectuais e nos afiliarmos a grupos e mais grupos de pensadores virtuais. Tudo isso é muito interessante, e não abro mão de verbalizar minhas idéias aqui. Só que quando verbalizamos nossas idéias com a alcunha de o fazermos enquanto seguidores de Cristo, talvez pese sobre nós mais do que a responsabilidade sobre aquilo que pronunciamos. Talvez pese sobre nós o ônus da aplicação prática das nossas palavras.

Quando nossas palavras não contribuem em nada no campo da prática, vale perguntar: pra que realmente elas estão servindo? Vale a pena continuar desenvolvendo um discurso? Ora, que benefício terá alguém em ler este (nosso) meu blog? Vale a pena continuar a escrever?... Será que estamos apenas fortificando castelos intelectuais dos quais não temos a mínima coragem de sair para pisar no mundo real?

Nenhum comentário:

Related Posts with Thumbnails